Buscar

Matéria americana revela segredo obscuro da maior marca de açaí do mundo.

Matéria completa em português disponível para download.

Washington_post_Açaí_traduzido
.docx
Download DOCX • 16.24MB

Parte da matéria do The Washington Post, jornal renomado americano, traduzido para o Português :


“Não é preciso muito para dizer:‘ Um auditor está chegando; saia das árvores, ’” acrescentou Anna Canning, gerente de campanha do Fair World Project, uma organização de Portland, Oregon, que estuda certificações de terceiros. O primeiro exportador de açaí a obter o certificado da Fair World Project foi o Sambazon, que ajudou a popularizar a fruta na América. Fundada por três americanos, a empresa enviou no ano passado quase 14 milhões de libras de polpa de açaí para os Estados Unidos, segundo a Panjiva, unidade de pesquisa da S&P Global Market Intelligence. Ela tornou as certificações fundamentais para sua marca: “Nossa promessa, seu impacto”. A empresa diz que doou cerca de US $ 800.000 em ajuda às comunidades de onde obtém a fruta, financiando a construção de várias escolas e um centro médico. Descreveu a pobreza como seu "inimigo". Mas quatro pessoas que trabalharam para o Sambazon disseram recentemente que há lacunas no sistema de certificação para combater o trabalho infantil. Os especialistas em certificação dizem às famílias para não enviarem crianças para a colheita, disseram as pessoas, mas muitos são incapazes de honrar o pedido porque não podem perder a renda fornecida pelo trabalho de uma criança. O Sambazon não paga dinheiro extra a agricultores individuais, disseram os ex-funcionários, para incentivá-los a seguir as práticas de trabalho prescritas pelas certificadoras. “Muitos produtores dirão: 'Você quer que meu filho não vá colher frutas comigo, então por que não me ajuda e me dá algum dinheiro?'”, Disse uma pessoa que, como outros ex-funcionários, falou na condição de anonimato por medo de comprometer o emprego no setor. “Mas nossos preços não mudaram. É o mesmo preço pago pelo açaí convencional. ”


Dois comerciantes de açaí em Curralinho disseram que a Sambazon compra frutas fora de sua rede registrada, expondo-a à possibilidade de comprar frutas colhidas por crianças. Os comerciantes, João Rodrigues Fernandes e Valdinei Borges Farias, disseram que já venderam para os navios que abastecem o Sambazon, sem serem questionados sobre as condições de trabalho ou trabalho infantil. “O Sambazon mostra uma coisa”, disse um ex-funcionário. “Mas a realidade entre os agricultores é diferente.”


Agora, já falando como a MAÇAIX, só pedimos uma coisa, "see beyond".

Nós garantimos a transparência total da nossa cadeia produtiva, e garantimos o maior cuidado e atenção aos nossos parceiros lá da Amazônia ( que, não por acaso, trabalham diretamente para a nossa fazenda parceira. ) Isso é um processo exclusivo do açaí de colheita especial, que muito antes de ser o fruto mais avançado em questão de qualidade, é o fruto que mais preserva a sustentabilidade e segurança em toda cadeia produtiva.

Por isso, te convidamos sempre a Ver além.



27 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo